O QUE LEVAR NO DIA?

Olá delegadxs!!! Com o grande dia chegando sempre ficam alguns questionamentos sobre o que levar, não é mesmo? Não precisa se desesperar, aqui daremos algumas dicas pra deixar a vivência de vocês na MiniONU o mais prazeroso possível.

A primeira coisa que listarei pra vocês, que no caso acho que a maioria de vocês já deve levar junto são os documentos. É essencial né, acredito que todos já andem com eles juntinhos. Não se esqueçam, é muito importe!

É necessário também que levem 2 cópias do DPO.

Caso vocês sintam necessidade e se sintam mais confortáveis e confiantes é indicado que levem um guia.

Se vocês forem usar algum documento de trabalho como, imagens e textos é recomendado que levem.

Pendrive

Sempre importante estar preparado com alguns kits de sobrevivência como: garrafinha de água, alguns snacks (caso sintam necessidade e fome), remédio pra alguns que tenham alguma prescrição de horário, às vezes um casaquinho, dinheiro, etc. Então gente é basicamente isso, fiquem atentos a todos os posts e informações, e que venha o grande evento!!!

Estamos na espera por vocês

Anúncios

QUE ROUPA USAR NO GRANDE DIA?

Bom dia delegadxs!!!! Aqui estamos com mais um post importantíssimo que é, como se vestir para o grande evento?! Não se preocupem, não é nada que requer ficar gastando dinheiro não, tenho certeza que todos devem ter alguma peça que combine e deixe com um arzinho social.

OBS: Como o clima de Poços de Caldas é meio louco, aconselho à vocês a dar uma olhada na previsão do tempo antes de decidir o look dos dias

Para as meninas:

Separei para vocês várias opções (a louca do pinterest), que talvez vocês possam tirar algumas ideias. Optem por looks bem sociais, como vestidos, terninhos, calças e camisas, salto, sapatilha. A minha fica é apostar em uma roupa simples e confortável e usar acessórios (um pouco mais discretos) para dar um ar mais elegante.

Para os meninos:

O tradicional terninho não tem erro, mas se vocês quiserem dar um diferenciada, uma camisa e uma calça social, jeans, um blazer. Como estamos falando em estar social, para vocês meninos, o código já é mais restrito, então apenas sapatos fechados e sem bermuda, bonés. Coloquei pra vocês algumas dicas de looks.

Não se esqueçam que vocês podem se caracterizar de acordo com o país que vocês representam, sejam criativos!!!!

Divisão da Questão

Oi gente!

Nesse post iremos falar sobre uma questão que pode surgir no fim da discussão da proposta de resolução, que é a divisão da questão. Essa divisão é pedida por meio de uma moção ao fim do debate, por qualquer um dos delegados. O objetivo é separar as cláusulas da proposta de resolução para a votação, de forma que se divide em blocos ou vota-se cada uma separadamente. Isso é feito quando há uma determinada proposta que não é amplamente aceita e que deve ser votada separada das outras.

Quando houver o pedido de divisão da questão abre uma votação para ver quem está de acordo. Caso a votação seja de maioria concordante o comitê entra automaticamente num debate não moderado para que sejam discutidas todas as opções de separação de propostas até que a maioria defina um tipo. Caso chegue para a mesa mais de uma divisão vota-se de acordo com a maioria.

A divisão da questão é uma forma de evitar que determinada proposta não condizente com as demais seja votada, mas ao mesmo tempo, não excluindo toda a proposta de resolução.

Por hoje é só pessoal! Estamos quase chegando nos dias do evento, esperamos ter explicado tudo de forma fácil e clara para que todos estejam animados e se divirtam no evento! Se houver dúvidas é só entrar em contato com qualquer um de nós da equipe! Beijos de luz.

VOTAÇÃO

Olá, delegadxs! Como estão os preparativos para o grande dia?

Hoje vamos falar sobre sobre os processos de votação que são utilizados, em nossos debates, para os dois tipos de questões: questões procedimentais (aquelas as quais nenhuma delegação – seja presente ou presente votante – pode se abster e são aprovadas por maioria simples) e questões substanciais (as quais apenas as delegações que se declararam presentes podem se abster e são aprovadas por maioria qualificada). Além disso, a aprovação ou não dessas últimas questões depende do Quórum (o número total de delegações presentes no dia do debate), da Maioria Simples (que é 50% do número total de deelgações+1) e a Maioria Qualificada (que representa 2/3 do número total de delegações).


Dessa forma, há a votação por levantamento de placas ou moções para votação por chamada, além de moção para divisão da questão:
Votações por levantamento de placas: ocorrem automaticamente caso nenhuma moção para outro modelo de votação seja pedida. Nesse tipo de votação as delegações vão se posicionar a favor ou contra a questão levantando suas placas.
Votações por chamada: apesar de precisarem serem introduzidas por uma moção, assim que são pedidas, são acatadas automaticamente pela mesa. Nesse estilo de votação, cada delegação será chamada pela mesa para dizer seu voto, podendo ser: a favor, contra, a favor com direitos e contra com direitos. Tais direitos são a justificativa da delegação. Assim, quem votar com direitos terá 30 segundos para justificar seu voto ao final da votação.

A divisão da questão, que citamos anteriormente, terá um post exclusivo para ser explicada! E, depois dela, faltará pouco para chegarmos à nossa Resolução Final!


Fiquem atentxs aqui no blog porque ainda terão mais posts importantíssimos para nos prepararmos para o dia final. Bons estudos e até logo!

O que foi 92?

Oi gente, hoje é um daqueles posts relampagos que não estão no cronograma mas são importantes demais da conta!

Hoje vamos falar um pouquinho do contexto do ano em que ocorreu a cúpula do Rio, 1992. Apesar da temática ambiental ser muito importante (até os dias de hoje) temos que ter sempre em mente o fato de que tudo o que será discutido aconteceu no ano de 1992. E o que será que tava rolando nessa época? Segue o fio pra descobri um pouco mais:

Sobre o contexto global é importante saber que a famosa Guerra Fria, que foi bem resumidamente um conflito ideológico entre os EUA (capitalista) e a União das Repúblicas Soviéticas (socialista), que dividiu o globo entre esses sistemas e causou grandes momentos de tensão (como a Crise dos Mísseis), terminou no ano de 1991, ou seja MUITO perto do ano da nossa conferência. Por isso é válido lembrar que alguns países do lado “vencido”, ou seja do lado socialista, podem ter algumas dinâmicas diferentes do modelo que estamos acostumados, como por exemplo a posição de Cuba. Além disso é importante ressaltar o alto poder dos EUA na época.

Devido ao fim da Guerra Fria e da luta ideológica, os países ampliaram seu leque de questões a serem resolvidas e foi por devido a isso que a questão dos problemas ambientais ganhou tanta força e apelo internacional. Outras questões também passaram a ser levadas em conta, como a questão do combate as drogas e, posteriormente o terrorismo. Assim todos esses novos temas se mostram de alta relevância para o ano de 1992.

Algumas dinâmicas específicas tem de ser levadas em conta, como por exemplo no continente Europeu, se tem o estabelecimento e a formação definitiva da União Europeia (como conhecemos hoje), a qual foi estabelecida mediante a assinatura do Tratado de Maastricht em fevereiro de 1992. Essa formação de um bloco regional de países, apesar de muito recente, impactou nas discussões da Rio 92, quem quiser saber mais, os dossiês dos países europeus, principalmente o de Portugal falam bastante sobre isso.

Outra região que merece destaque é a América Latina, a grande maioria dos países dessa região tinha saído de regimes ditatoriais a menos de 20 anos, a redemocratização e a busca por um lugar no Sistema Internacional, além da resolução de questões internas ainda eram uma questão a ser debatida. Um claro exemplo disso era o Brasil, país sede da Rio 92, que buscava uma renovação de credenciais no Sistema Internacional meio que para se redimir do período ditatorial e para se inserir nele como um ator capacitado e de importância, foi por isso que sediou a convenção e buscava um papel mais ativo na resolução de problemas dessa nova temática.

Bom, basicamente esse foi um resumão das break news de 92, qualquer dúvida sobre qualquer tópico, entre em contato com a gente! Falta só 11 dias e ai, ansiosos?

A voz dos países ilhas

Os problemas socioeconômicos e ambientais com que se confrontam os países ilhas são bem conhecidos. Numerosas são também as declarações e as posições assumidas a nível nacional, regional e internacional sobre as suas múltiplas vulnerabilidades e a procura de soluções. As conclusões de grupos de especialistas da Organização das Nações Unidas (ONU) são recorrentes: as ilhas constituem um grupo mais vulnerável que outros grupos de países em desenvolvimento. Devido a esta situação, a comunidade internacional tem assumido nas últimas décadas um papel dinâmico no sentido de encontrar soluções sustentadas para os Estados Ilhas.

A maioria dos Países Ilhas encontra-se situada em zonas geográficas do planeta onde são recorrentes os fenómenos meteorológicos extremos, as catástrofes naturais constituem um dos maiores desafios colocados aos países insulares nos seus processos de desenvolvimento. Por sua vez, as secas prolongadas, a escassez de água potável e as doenças endémicas agem também como choques endógenos que afetam a maioria destes países estados ilhas (PEI) e põem em causa os esforços de consolidação das estruturas económicas, ambientais e sociais necessárias ao seu desenvolvimento. O efeito combinado destes fenómenos naturais com outras características específicas dos PEI, nomeadamente a distância em relação aos principais centros internacionais, a pequena dimensão territorial, aliada ao reduzido número de habitantes e de estruturas econômicas, sociais e institucionais, constituem para estes Estados a dificuldade de alguns para se alcançar o desenvolvimento.

 Como destaque o Rio 92, os países insulares foram centro de fortes discussões devido a pauta da conferência, que possuía grandes características de suporte à países periféricos e manutenção de danos causados pelos países centrais e ocidentais por longos anos. A Cimeira do Rio em 1992, que teve como consequência a Conferência de Barbados em 1994, da qual resultou o plano de ação para o desenvolvimento sustentável dos países insulares; a Cimeira de Maurícias em 2005, na qual se avaliou o cumprimento do plano de ação de Barbados; a mesa redonda dos países doadores dos Países insulares. as múltiplas atividades do grupo de trabalho conjunto, que reafirmaram a vulnerabilidade econômica dos pequenos Estados em desenvolvimento e particularmente os países ilhas.

“O tempo das discussões intermináveis e sem resultados concretos parece ter-se esgotado”, como afirmou a Embaixadora de Granada, que Preside a Aliança dos Pequenos Estados Insulares, em um encontro científico internacional: “Viemos aqui como embaixadores do planeta para alertar as sociedades ocidentais de que precisamos de ações, AGORA”.

As heterogeneidades intra-blocos são, ademais, reforçadas pela existência de subgrupos, como o dos pequenos países insulares ou o dos países sem acesso ao mar. O resultado é uma grande diversidade de agentes, o que influenciou, certamente, a disposição do documento final da Rio+20. A fim de se obter consenso para os objetivos principais do encontro, foi preciso incluir no documento diversas concessões pontuais.

Desmatamento na Amazônia

Olá, delegadxs! Vamos continuar nossa sequência de posts com um tema ambiental da atualidade. Queremos que vocês reflitam sobre esse assunto e se posicionem de forma crítica no momento que lerem esse post com perguntas como: “Se os países levassem os problemas climáticos mais a sério, estaríamos passando por tais dificuldades?”; “Se ações mais efetivas fossem abordadas no Rio 92 ou se os países realmente se responsabilizassem em cumprir a Agenda 21, estaríamos com tantos problemas ambientais?”.

Caso e desenvolvimento dos problemas na Amazônia:

O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) mostrou que houve um aumento do desmatamento da Amazônia em 83%, em que 68 incêndios foram feitos em áreas habitadas por indígenas. O desmatamento pode ocasionar o aumento do aquecimento global pela emissão de CO2 na atmosfera, destruir o habitat de animais que correm risco de extinção, além da fumaça gerar male feitos ao corpo do ser humano. Essa situação trouxe uma repercussão internacional   e uma visão negativa em relação as políticas ambientais brasileiras.

Diante dessa situação, a Noruega e a Alemanha que, respectivamente, ajudavam no fundo em 93,8% e 5,7%, decidiram parar de mandar dinheiro para o Fundo Amazônia que irá vetar projetos para o proteção da floresta e biodiversidade da área. Além disso, a Finlândia abordou que gostaria que a União Europeia parasse de comprar carne brasileira para mostrar sua insatisfação com o desmatamento da Amazônia e o aumento do agronegócio sem reflexão ecológica.

Nesse contexto, foi estabelecido uma convocação do G7, grupo dos países mais industrializados do mundo, para discutir a situação da floresta com mais biodiversidade no globo, já que anteriormente a convocação estavam acontecendo muitos atritos entre o Brasil e outros países e ainda foi pontuado que mediante a pauta poderia ocorrer uma internacionalização da Amazônia. Nessa conferência foi estabelecida uma ajuda monetária, além de fermentas para o controle das queimadas, que procuravam amenizar os problemas na floresta.

Referências:

https://brasil.elpais.com/brasil/2019/08/21/politica/1566407148_180887.html

https://g1.globo.com/natureza/noticia/2019/08/15/fechamento-de-comite-impede-repasse-de-r-1326-milhoes-ao-fundo-amazonia-diz-ministro-noruegues-a-jornal.ghtml

https://brasil.elpais.com/brasil/2019/08/31/opinion/1567208984_796341.html